domingo, 31 de março de 2013

Quando vale a pena NÃO viajar!

Na última quarta-feira, quando bati meu cartão de ponto e foi dada largada para minha folga de Páscoa, postei no Facebook que - milagrosamente - eu ficaria quatro loooongos dias de papo pro ar! Não demorou muito para uma amiga minha comentar: "adoro suas folgas pois é certeza de posts legais depois"! Claro que fiquei feliz pra caramba com o que ela disse, mas desculpe Natacha... dificilmente vou ter, depois de um feriado prolongado, um relato de uma viagem bacana que eu tenha feito!!! Falta pouco para terminar essa minha folga maravilhosa... mas não posso voltar ao batente sem antes explicar por que eu prefiro descansar a viajar nessas ocasiões!


Minhas folgas funcionam assim: trabalho um fim de semana e depois folgo nos dois seguintes. Já nos feriados é diferente. Trabalho em praticamente todos!!! Carnaval: sempre tem plantão. Natal e Ano Novo rola um revezamento: se nesse ano trabalho no Natal, vou folgar no Ano Novo. Aí no ano seguinte inverte: folgo no Natal e depois trabalho no Ano Novo. O mesmo vale para Páscoa e Corpus Christie. Se trabalho em um, folgo em outro e daí no ano seguinte inverte. Em resumo, meus feriados prolongados se resumem a dois - no máximo três - por ano!!! Esse já seria um bom motivo para eu fazer as malas rapidinho, assim que começasse a folga prolongada para poder aproveitar, não??? Nããããão!!!

Todo mundo sabe que viajar em feriado prolongado, quando o universo inteiro tem a mesma idéia, quase sempre é sinônimo de estradas lotadas, hospedagem cara, destinos turísticos com filas, estresse total!!! Claro que quando a pessoa tem tempo e dinheiro sobrando, tudo bem né! Como definitivamente não tenho nem um, nem outro... SIM, eu escolho ficar em casa nos feriados prolongados! Acho que não faz sentido gastar meu suado dinheirinho para encarar a loucura de viajar nessas datas. Prefiro ficar por aqui e economizar para uma próxima oportunidade, quando as estradas estiverem mais tranquilas, a hospedagem com um preço mais camarada, os destinos turísticos menos abarrotados para que eu possa aproveitar mais!

Por falar em aproveitar... não viajar não significa não aproveitar o feriado! Longe disso!!! Sempre tem, pertinho do lugar onde você mora, algum lugar que você ainda não conhece ou gostaria de voltar! Como já contei aqui no blog, eu tenho privilégio de morar numa cidade pertinho de São Paulo... e São Paulo SEMPRE vai ter algo novo para conhecer, muitas vezes há programas até de graça para serem feitos. Acredito que seja impossível "esgotar" as possibilidades em uma grande cidade como São Paulo. Sempre vai ter um novo lugar... uma exposição diferente... uma peça estreando... um restaurante ou bar que você ainda não foi. As possibilidades são infinitas e o melhor: nos feriados prolongados, as metrópoles muitas vezes não ficam tão cheias de gente! Perfeito para que quem prefere não viajar nessas datas!

Como - além de viajar - outra paixão que eu tenho na vida é reunir os amigos, tirei a sexta-feira para fazer isso! A fugida para São Paulo ficou para sábado. A princípio a intenção era uma baladinha... mas como "queimamos a largada" na sexta, escolhemos um programinha mais light! Eis mais uma maravilha de São Paulo: você pode mudar a programação conforme o andar da carruagem. Uma busca rápida na Internet e encontrei uma peça que me interessou bastante: Mistero Buffo. Caiu como uma luva para o feriado em questão, quem quiser conferir segue o link da Veja São Paulo com um resuminho do espetáculo: www.vejasp.abril.com.br/atracao/mistero-buffo. O melhor é que está em cartaz no Teatro Eva Herz, dentro da Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em plena Avenida Paulista, onde poderíamos "esticar" para onde quiséssemos depois da peça.

Foi uma noite nota mil! A peça é sensacional, o tema é perfeito, a atuação dos três artistas no palco é ímpar, super recomendo! De lá, encerramos o sábado na pizzaria Maremonti (www.maremonti.com.br), na Padre João Manoel. Meia Zucchini e meia Tre Becchieri, ótimas pedidas! Pronto, assim aproveitei o feriado prolongado com a possibilidade de descansar, colocar a vida em ordem, reunir os amigos, curtir minha casa, fazer um programa bacana e ainda ficar com a família no domingo de Páscoa! Ok, em outras datas não vou ter a mesma quantidade de dias livres que tenho num feriado prolongado de folga... mas prefiro assim! Viajo menos, mas viajo melhor quando tiver outra "santa" folguinha!

Beijooooos e até a próxima folga!

terça-feira, 19 de março de 2013

Quente ou frio... 8 ou 80!

Tenho uma grande amiga que vive repetindo uma frase que eu AMO: "seja frio ou seja quente, não seja morno que eu vomito"! Hahahahahah! Minha psicóloga vai querer me matar quando ler isso, afinal, a idéia é buscar o equilíbrio nas coisas da vida... mas eu adoro essa coisa do "tudo ou nada", adoro o que é extremo, intenso, profundo!!! Pago um preço alto por isso, inclusive nas viagens... mas no fundo gosto de ser assim!!!! Hoje - a exatos dois meses das minhas férias - acabei de definir para onde vou e me peguei pensando no quanto os destinos das minhas viagens revelam esse meu jeito "8 ou 80" de ser!


Como já contei aqui no blog, sou uma viajante recente... nunca tive muitas oportunidades de viajar, então faz pouco tempo que vivo esse dilema que me acomete a cada chance de cair na estrada... para onde ir??? Com tantas alternativas, a geminiana aqui - que quase não é indecisa - surta para escolher!!!! Como se não bastasse a infinidade de destinos bacanas que gostaria de conhecer, tem a seguinte questão: "ah, mas se você vai até Florianópolis, dá uma esticadinha para conhecer a Guarda do Embaú". "Você vai para Salvador? Então aproveite que vai estar para aqueles lados e visite Morro de São Paulo". E por aí vai... sempre tem um lugar por perto que também vale a pena! Aí complica né!

Em 2008, quando fomos para Orlando, nosso vôo fez escala em Miami. Inevitável não pensar em fazer um "pit stop" por lá para conhecer Miami Beach e outros lugares tão famosos entre a brasileirada... mas o que isso vai significar? Adiar em quantos dias a chegada ao destino final? Gastar quanto a mais? No que isso vai interferir no restante da viagem??? São perguntas que muitos podem não considerar, tem gente que prefere ir no maior número de lugares que for possível, mesmo que isso faça com que o tempo em cada um desses lugares seja menor... não faço parte dessa turma! Preciso esgotar as possibilidades no destino escolhido. Conhecer cada ponto turístico, cada lugar inusitado, conviver com quem mora lá, descobrir a história, os costumes, enfim... intensidade é a palavra! Se a idéia é ir para Orlando, eu quero fazer TUDO o que Orlando tem a me oferecer!!!! Seria legal ficar uns dias em Miami? Seria... mas para isso eu teria que tirar algumas coisas do roteiro em Orlando... então sem chance!!!! Melhor deixar Miami para uma outra vez e aproveitar Orlando profundamente. E assim foi: em 13 dias fomos em todos os parques da Disney e da Universal, ainda demos uma esticadinha até Tampa para conhecer o Bush Gardens, dormíamos cinco horinhas por noite para conseguirmos ir ainda em todos os outlets possíveis, acordávamos seis da manhã para sermos os primeiros a chegar no parque e conseguirmos ir em tooodos os brinquedos! Loucura??? Se for, prefiro ser louca mesmo hahahah!

Quando comecei as minhas pesquisas para a viagem para o Chile, em 2011, voltei a sofrer desse mal de escolher entre conhecer o maior número possível de lugares ou de focar em algo mais específico para aproveitar melhor. Nunca tive dúvidas de que a segunda opção era muito mais a minha cara, mas eram tantos e tantos relatos de quem tinha aproveitado para, além de Santiago, ir a Pucón e San Pedro de Atacama... que eu quase pirei!!! Isso porque, antes de ir para um lugar, nunca sabemos em quantos dias é possível fazer tudo o que consideramos importante nesse destino sem deixar passar nada! Vai que eu resolvesse incluir cidades vizinhas e, quando chegasse lá, descobrisse que isso comprometeria o restante do roteiro??? Sofrível! Como sempre, segui minha intuição e resolvi focar em Santiago, com uma ida de um dia para Valparaíso e Viña del Mar. Outra: fui para lá na temporada de esqui. Muita gente me perguntava por que eu não ficava hospedada na estação de esqui e separava alguns dias para ir até Santiago. Isso eu confesso que nem cogitei. Imagina ir para lá e não conseguir conhecer cada pedacinho de Santiago por estar o tempo todo no meio da neve??? Sem chance!!!! Fui sim esquiar, passei dois dias na estação de esqui, mas ficar confinada lá só se eu já conhecesse Santiago como a palma da mão ou se eu fosse esquiadora profissional! Por enquanto, sou uma mera viajante ávida por voltar de um destino tendo a certeza de que aproveitei tudo o que ele podia me oferecer!!!

Outro sofrimento na definição do lugar para onde ir foi durante a preparação do roteiro para a viagem a Las Vegas, no ano passado. Em muitas das pesquisas que fiz, percebi que as pessoas que vão para lá fazem o percurso também por São Francisco e Los Angeles. É algo que está meio "implícito" para os turistas que vão para lá. Fora que muita gente dizia: "ah, mas Las Vegas você conhece em três... no máximo quatro dias"! Será???? Lá fui eu ler mais, pesquisar mais, participar de mais e mais fóruns de viagem! Não... Las Vegas não se faz em três dias. Não com esse meu perfil de querer conhecer tudinho, sem deixar nada de fora! Vi a quantidade de atrações e opções de Las Vegas e decidi que - sim - eu iria única e exclusivamente para Las Vegas. Ficamos sete dias lá naquele ritmo frenético que nos é peculiar e hoje eu sei... foi a melhor coisa deixar Los Angeles e São Francisco para outra oportunidade! Aí sim talvez valha uma passadinha por Vegas, afinal, agora já conhecemos a sin city e podemos dar uma passadinha descompromissada por lá numa próxima vez!

Bom... decidir para onde ir, depois o roteiro a fazer é e SEMPRE vai ser um dilema gostoso, desafiador para mim! A questão é que, até agora, por mais que eu tenha precisado quebrar a cabeça para definir minhas viagens, as possibilidades eram relativamente restritas. Isso até agora! Nesse ano, nas próximas férias, espero realizar um sonho: ir para a Europa! Sim, Europa!!!!! Mal posso acreditar!!!! No início, estava definido... na verdade sempre esteve definido que, quando eu fosse para o velho continente, meu primeiro destino seria Itália! Sem pestanejar! Aí seria fácil decidir o roteiro porque a Itália é um país que merece exclusividade, eu nem cogitava a possibilidade de percorrer outros países na mesma viagem. Queria me dedicar 100% às cidades italianas. Maaaas... já falei que sou geminiana né??? rsrsrsrs Geminiana nata! Volúvel! Indecisa! Louca! Vivo "brigando" com meus dois lados, com aquele meu jeitão 8 ou 80 que mencionei no começo desse post. Pois é, um belo dia acordei pensando o seguinte... tem taaaanta coisa bacana na Europa, será que eu quero mesmo ir primeiro para a Itália???? Pronto, estava instalado o caos na minha mente viajante!

Foi assim por mais de um mês: pesquisando... lendo... pesquisando mais um pouquinho. Poxa, quero conhecer TUDO na Europa! Lá é tudo tããão pertinho... se for para França, o que custa ir também até a Alemanha... mas já que estou ali, queria muito conhecer Amsterdã. Qual roteiro fazer? Para onde ir? Olha, vou contar uma coisa... sofri! Mais do que na preparação de qualquer outra viagem!!!! Daí lembrei da frase da minha amiga: "seja quente ou seja frio, não seja morno que eu vomito"!!!! Não, não quero vomitar! Quero ser eu mesma, eu Lenina, aquela viajante que SEMPRE prefere conhecer bem um único lugar do que ficar "quicando" em vários para, no fim das contas, não ter conhecido nenhum profundamente! Pensei bem no momento que estou vivendo nessa dualidade geminiana que faz parte do meu ser e decidi: Londres, Paris e uma ida até Lausana e arredores, na Suiça, visitar minha amiga-irmã que mora lá! Vão ser 16 dias... conheço gente que no mesmo tempo rodou mil cidades européias a mais do que vou visitar!!!! Pura questão de gosto... de estilo! Meu estilo é esse: às vezes fria... às vezes quente... morna jamais!!!!!

Beijos e até a próxima!






domingo, 10 de março de 2013

Casamento é uma viagem!

Em tempos de redes sociais, em que todo mundo é incrivelmente feliz e realizado, o que não faltam são casais perfeitos! Todos os casamentos são maravilhosos, a vida a dois é sempre sensacional, todo mundo está perdidamente apaixonado pelo marido ou pela esposa o tempo todo...! Ãham... conta outra!!!!! Hoje estou completando seis anos de casada e sei que quem fala que o casamento é um mar de rosas está mentindo... ou para si mesmo ou para os outros! Casamentos tem altos e baixos, fases boas e ruins, alegrias e tristezas também! Mas o que isso tem a ver com viagem, já que esse é um blog de viagem???? TUDO! Para mim, casamento é uma viagem e na postagem de hoje, dia em que comemoro "Bodas de Açúcar", vou explicar por que!

Guarda do Embaú (Santa Catarina)
No dia do "sim" a gente não sabe... mas está embarcando na viagem mais maluca de nossas vidas!!!! Porque dormir e acordar todos os dias ao lado de alguém, viver debaixo do mesmo teto, dividir sua rotina com uma pessoa é algo que exige uma "bagagem" maior do que se você estivesse viajando de mudança pro Alasca hahahahah! É uma aventura! Casamento é como viajar para um lugar que você tem certeza que é maravilhoso, mas que também pode ser cheio de imprevistos! É o tipo de viagem que, por mais que se faça um bom roteiro, nem sempre vai ser possível seguir o que foi planejado. Casar é como escolher um destino que pode ser bonito nas fotos que você vê nas revistas, mas chegando lá talvez você descubra que o mar não é assim tão azul... a areia não é assim tão branquinha... que os pontos turísticos não estão assim tão bem conservados! Ah, mas casamento é também aquela viagem tão planejada, tão sonhada, tão esperada que quando acontece faz você sentir como se estivesse no paraíso! Casar é como delirar ao provar os sabores desconhecidos de um lugar onde vc nunca esteve... é também se encher de alegria por ver uma paisagem que, ao vivo, é ainda mais linda do que na televisão... é como fazer uma viagem tão maravilhosa que você não sente mais vontade de voltar!

Sim, casamento é uma viagem! Se é assim, por que não tirar vantagem disso??? Viajar faz toda a diferença em um casamento! Salva da rotina... permite que os dois fiquem juntos mais tempo... faz com que vivam a própria vida num lugar diferente, com gente diferente, de um jeito diferente! Para mim, assim como não existe vida sem viagem, não existiria casamento (feliz) sem viagem!!!! Eu tive a sorte de casar com um homem maravilhoso que também ama viajar! Olha só: quando nos casamos e colocamos todos os gastos na ponta do lápis vimos que não... não poderíamos ter lua-de-mel! O dinheiro não ía dar!!!! Inicialmente o casamento seria em novembro de 2006. Adiamos para março de 2007 só para conseguirmos economizar um pouquinho mais e viajar! Isso sem falar que abrimos mão de um casamento cheio de frescuras para poder sobrar essa graninha pra viagem! Valeu muito a pena, a lua de mel foi sensacional! Nossa primeira viagem de casados foi inesquecível!

Lua-de-mel em Fernando de Noronha
Agora, pense o seguinte: viajar exige investimento, certo? Em um casamento, um dos desafios é organizar o orçamento da casa! E que desafio! As contas não são poucas, o dinheiro não dá para tudo... e, ainda por cima, são DUAS pessoas para decidir no que gastar aquilo que se ganha! Se você gosta de viajar e ainda não casou, certifique-se de que seu pretendente não vai preferir pintar a casa a viajar... ou trocar de carro a viajar... ou mobiliar a sala a viajar! Desde o começo, eu e meu marido combinamos: viajar uma vez por ano vai ser tão certo quanto pagar o IPTU uma vez por ano. É um gasto que vamos ter SIM todo ano! Claro, dependendo da situação vamos fazer uma viagem mais barata ou vamos investir um pouco mais nela! O certo é que não vamos deixar de viajar! Já abrimos mão de bastante coisa por causa de viagens... sempre valeu a pena!

Tiroleza em São Pedro, interior de São Paulo
Outra coisa sobre viagem e casamento... sabe aquela história de que "os opostos se atraem"? Não sei não!!!! Viajar exige muitas escolhas!!! Praia ou montanha? Neve ou alto mar? Aventura ou relax? Assim como em um casamento, para viajar a dois é preciso saber ceder... ou ter um bom argumento para convencer o outro hahahahah! Fora que, chegando no destino, ter a sintonia de conseguir aproveitar a viagem na mesma "vibe" faz toda diferença! Ninguém vai a uma estação de esqui, por exemplo, para só olhar, né? No Chile, em 2011, fiz uma aula de snowboard só para acompanhar o marido (ok, depois mudei rapidinho para o esqui, que é mais minha praia)! Na Disney, ele assistiu a mil musicais só porque eu amo... e não é que ele também passou a gostar? Nas viagens os casais se descobrem... aprendem mais um sobre o outro! Sim, repito: casamento é uma viagem!

Valle Nevado, Chile
Mas... e quando não dá para viajar junto??? Sim, já aconteceu com a gente! Um amigo nosso ganhou uma viagem para Nova Iorque com acompanhante e, quando soube que tinha a chance de ganhar, já avisou que convidaria meu marido para ir com ele. Gente, eu SONHO em ir para Nova Iorque, é claro! Mesmo assim, em nenhum momento cogitei a possibilidade de ficar chateada por ele ir sem mim ou - pior ainda - nem pensei em "proibir" que ele fosse, como sei que algumas esposas fariam no meu lugar. É... casamento é uma viagem, tem que saber ser um bom viajante! O mais maravilhoso disso tudo é que, ao ir sem mim, meu marido ficou pirando ao pensar no quanto eu iria amar cada uma das coisas que ele fez em NY... e voltou louco para me levar para lá um dia! Eu ainda não fiz nenhuma viagem longa sem ele, mas também tenho certeza de que, quando acontecer, vai ser igual!

Mergulho no Mar do Caribe, na Colômbia
O que também faz com que eu relacione casamento diretamente com viagem é o fato de sempre tentarmos viajar no nosso aniversário! Antes, nossas férias eram sempre em março justamente para isso: a viagem era o presente de aniversário para nós mesmos! Até nisso os loucos por viagem tem que analisar antes de casar... tem mulher que faz questão de jóias... restaurantes caros... produtos de marca como presente de aniversário! Eu dispenso tudo isso sem nem pensar! Leve-me para viajar e eu vou ser a mulher mais feliz do mundo!!!! Nesse ano - adivinha! - estive de plantão neste que foi o fim de semana do nosso aniversário... não tem problema! Viajamos para a praia uma semana antes para comemorar! É sempre assim e, enquanto for assim, vou esperar ansiosamente por cada um dos nossos aniversários! Porque - sim - casamento é como uma viagem... com tudo o que ela pode ter de bom e de não tão bom assim... muitas vezes pode ser como uma linda ida à Paris com hospedagem em hotel cinco estrelas, de frente para Torre Eifel... em outros momentos, pode parecer mais com uma excursão em ônibus sem ar-condicionado para uma praia feia e cheia de borrachudos... o que eu garanto é que essa "viagem" vale a pena por todas as descobertas... sentimentos... e aprendizados que proporciona!

Ao meu marido viajante, obrigada por embarcar nessa comigo! Amo você!

Beijocas e até a próxima!

quinta-feira, 7 de março de 2013

Ilha Bela "light"!

Amo o lugar onde moro por vários motivos... mas pela minha condição de jornalista que faz plantões e precisa aproveitar toda folguinha para poder passear, sem dúvidas o que mais me faz ser apaixonada pela minha cidade é a localização! Meia horinha na estrada e estou com o pé na areia! Quer coisa melhor do que isso??? Olha que tem! Rodando alguns quilômetros a mais é possível não só estar na praia, como estar no belíssimo litoral norte de São Paulo! Por lá, o difícil é decidir onde ir... são muitas praias maravilhosas! No último fim de semana, escolhemos Ilha Bela para aproveitar minha folga!

Bela ilha: Ilha Bela
Eu já havia estado outras vezes em Ilha Bela mas fazia bastante tempo que eu não voltava. O bacana desse destino é que, a cada vez que se vai até lá, é possível escolher um "estilo" de viagem. Dá para ser um passeio "aventura", já que tem várias opções de trilhas, seja de jeep ou a pé. O lugar também é perfeito para quem gosta de mergulho... de velejar... de fazer outros esportes aquáticos... de passear de barco! Na última vez que fui para Ilha Bela era Carnaval, eu ainda era solteira, fui numa galera, então foi uma viagem de azaração! Enfim, são muitas as possibilidades. Desta vez, o objetivo foi relax total! Por isso chamei esse post de "Ilha Bela light"!

Mapinha essencial para um roteiro "light" em Ilha Bela - face continental da ilha
Para planejar uma ida de fim de semana para esse paraíso o ideal é conseguir "enforcar" a sexta-feira! Isso porque a maioria das pousadas e hotéis não reserva só uma diária, tipo, não dá para pernoitar de sábado para domingo apenas. O pacote mínimo, pelo menos nos lugares em que pesquisei, é de no mínimo duas noites, com check-in a partir das duas da tarde. Daí dá muuuuita dor no coração pensar em trabalhar o dia inteiro na sexta-feira para só então ir pra ilha, só a noite, sendo que a diária já está valendo!!! Ok, ok... isso é coisa de pobrinho, querer aproveitar cada segundo... mas fazer o que né, sou assim!!! Hahahaha! Bom, conseguimos fazer um bem bolado no trabalho para irmos na sexta-feira bem cedo pra lá!

O caminho: saindo da minha casa, em Mogi das Cruzes (SP), são duas opções para ir para Ilha Bela - pela Rodovia Mogi-Bertioga seguindo depois pela Rio-Santos ou pela Carvalho Pinto para pegar a Rodovia dos Tamoios. Ficamos com a segunda opção por achar que seria mais rápida... péssima escolha, pelo menos agora, em março de 2013. O trecho de planalto dessa estrada está sendo duplicado, pegamos operação "pare e siga"... desvios na pista... e ainda demos sorte de não pegar nenhuma interdição total, afinal, até isso está rolando lá para explosão de rochas. Foi bem chatinha a descida, então... se a opção for seguir pela Tamoios, é bom se informar às quantas andam as obras por lá.

Chegando em São Sebastião, a travessia da balsa para Ilha Bela é a cada meia hora cheia. Não custa dar uma olhadinha no site da Dersa pra conferir se teve alguma mudança (www.dersa.sp.gov.br/travessias/tarifas). Ah, uma crítica em relação a essa travessia: uma das cabines tem "Sem Parar", mas ela não é exclusiva para os usuários desse sistema, então de pouco adianta, a fila é a mesma!!!

Esse nosso fim de semana na praia foi para comemorar aniversário de casamento... então queríamos nos dar ao luxo de ficar num lugar bem bacana que tem lá na ilha que é o DPNY (daqui a pouco falo mais dele). Três semanas antes liguei lá para fazer reserva e descobri que tooodos os quartos estavam ocupados em tooodos os fins de semana dos dois meses seguintes! Também tentei um hotel mais simples sugerido pela minha prima - o Barra da Piúva - mas também estava lotado! Ou seja, por mais que, pra gente, ir para a praia seja algo muitas vezes decidido em cima da hora por estarmos pertinho do litoral, para ficar em um lugar legal tem que reservar bem antes... Ilha Bela está bombando!!!!

Claro que nada disso iria impedir nossa ida pra lá, afinal, Ilha Bela tem muitos outros hotéis e pousadinhas, basta pesquisar! Já que não poderíamos ficar no top, radicalizamos e procuramos algo bem simples. Por sugestão de uma amiga,  ficamos em um chalé na praia da Piúva, quase em frente à Ilha das Cabras, o nome é Bocaina Aparts. Pagamos R$ 130,00 a diária. Custo benefício ótimo: localização boa (a menos de 10 minutos do desembarque da balsa), vista bonita e quarto com ótima estrutura (TV, ar-condicionado, frigobar, microondas, cafeteira, pratos, talheres, copos para quem quiser improvisar um café ou outra refeição por lá mesmo, uma sacadinha pra olhar o mar!). O único "porém" foi que matamos nada menos que três baratas lá em três dias, o que significa média de uma barata por dia!!!!! Aaaaargh! Não sei se demos muito azar ou se não estava dedetizado o chalé, sei que essa foi a única coisa ruim da nossa estadia!

Bom, como disse, a intenção desse fim de semana era descanso total! Então seguimos em direção ao sul  da ilha e paramos, primeiro, na Praia da Feiticeira. Apesar de continuar linda, havia uma placa informando que a praia estava imprópria para banho. Demos só uma caminhada por lá e fomos para a Praia do Curral, que no mapa que publiquei acima fica entre a Praia Grande e a Praia do Veloso. Estacionar nessa avenida das praias é bem complicado, é mais fácil deixar o carro em um dos estacionamentos que as barracas de praia têm. Pagamos R$ 10,00 para deixar o carro o dia todo em um deles. Achei justo! Andamos a praia toda para decidir onde ficar e gostamos da barraca do Comandante Adriano, bem no canto esquerdo da Praia do Curral. Recomendo pelo atendimento, pelas porções, pela cerveja gelada, pela caipirinha no capricho e principalmente pela música que rolou lá o dia inteiro! Tocou rock, MPB, samba dos bons! Perfeito para um dia inteiro de sol, petisquinhos, banho de mar e frescobol!

Praia do Curral
No fim da tarde voltamos para o chalé e, depois daquele banho, fomos assistir o espetáculo do pôr-do-sol na Ilha das Cabras. Ali tem um espaço que parece que foi feito para isso. Um recuo para deixar o carro e um mirante para admirar a despedida do dia! Abaixo, algumas das fotos que fizemos do "show", sem filtros, sem tratamento!





Quando já não dava mais para enxergar o sol, seguimos para o extremo sul da ilha, onde três pessoas diferentes tinham nos indicado um restaurante chamado "Nova Iorque". O que ouvimos das recomendações foi que o lugar é lindíssimo e sofisticado. Rodamos acho que uns 20 quilômetros até lá! Fica exatamente onde termina o asfalto da avenida principal daquele lado da ilha. Longe!!!! Não imaginávamos que era tão distante! Resultado: quando chegamos lá já era noite e, no escuro, o lugar perde toda a beleza! Não se vê nada da varanda que é o principal chamariz do restaurante. Entramos, olhamos o cardápio e a conclusão é que ir em duas pessoas lá para jantar não vale a pena! Os pratos são enormes e caros, vale a pena se for para um grupo de quatro pessoas, aí compensa. Ah, isso se for durante o dia! A noite é um breu! Como sou cara de pau, convenci meu marido a darmos meia volta e ir comer em outro lugar! Paramos na forneria "A Redonda". Lugar fofo, decoração gracinha com discos de vinil como apoios de prato, preço razoável, pizza artesanal deliciosa, principalmente a da casa! Fica entre a Praia Grande e a Praia do Curral.

Sábado acordamos bem cedo porque era o dia mais esperado do nosso fim de semana em Ilha Bela. Como não conseguimos ficar hospedados no beach hotel DPNY, fizemos questão de pelo menos passar o dia lá com o sistema de "day use" que eles oferecem! O DPNY é um hotel de praia super completo! No site dá pra ter uma idéia do quanto o lugar é maravilhoso: www.dpny.com.br. Quem - como nós - não fica hospedado lá, tem essa possibilidade de adquirir o "day card". Para um casal, o valor é de R$ 450,00, sendo que nesse preço está incluso dois almoços e R$ 150,00 consumíveis. Por que vale muuuito a pena? Porque durante todo o dia você pode usar toda a estrutura do hotel - área da piscina, SPA, espreguiçadeiras, estrutura náutica com máscaras de mergulho, pranchas de stand up, caiaques, etc - sem precisar estar hospedado lá!

O sistema do "day card" começa às oito horas da manhã. Claro que, como bons madrugadores que somos, oito horas já estávamos lá! No DPNY cada detalhe chama atenção, principalmente quem gosta de objetos de decoração, ambientes diferentes... já ouvi gente entendida do assunto dizendo que algumas combinações lá não são meio "out", mas eu na minha simplicidade de quem não é metida a sofisticada achei tudo lindo, colorido, alegre e ao mesmo tempo de bom gosto! Ao colocar os pés no saguão do hotel e depois, seguindo pelos ambientes, fui me encantando com tudo: dos penduricalhos no teto aos santos e imagens espalhados cá e lá, das pranchas de surf que compõem os espaços aos objetos esotéricos, luzes e plantas que completam o visual!

Detalhe de um dos bares do hotel
Penduricalhos e iluminação
Pranchas de surf por todos os lados
Santos e objetos esotéricos espalhados pelos móveis
Área de um dos restaurantes
Plantas também compõem a decoração dos ambientes
Como disse, chegamos cedo e fizemos questão de gastar parte da consumação com o café da manhã (que não é incluso no day use) porque já sabíamos que seria maravilhoso! Custa R$ 35,00 por pessoa para comer e beber a vontade... com direito a espumante!!!! Tem tudo o que se pode esperar de melhor de um café da manhã de hotel cinco estrelas, com a vantagem de estar de frente para o mar e na companhia de dezenas de passarinhos! Eles vêm até as mesas comer com você, se descuidar roubam comida do seu prato!!!! Sensacional!!!
Bolo de chocolate com Nutella e espumante no café da manhã em boa companhia
Depois do café da manhã fomos para a areia, onde fica toda estrutura para curtir a praia: espreguiçadeiras, tendas, garçons, DJ, você pode pedir jornais e revistas para ler, tem wi-fi free para acessar a Internet, toalhas! A única coisa que achei falha nessa área foi o atendimento, as bebidas demoravam um pouco pra chegar... acho que os garçons estavam meio perdidinhos, mas nada que tenha estragado o dia, que por sinal estava lindo! Céu azul! Calor! Perfeito para deitar ali nos lounges e não sair mais!!!

DPNY Beach Hotel
Canto da Praia do Curral, onde fica o DPNY
DPNY visto do mar
Praia vista do hotel
DJ o dia inteiro, o som é tão bacana que CD's são vendidos com seleções musicais
Tendas que podem ser reservadas na areia
Além de todo esse visual, a área de praia do DPNY é maravilhosa porque com o "day card" você pode usar a estrutura náutica sem custo. Meu marido quis fazer stand-up e, depois dele, eu me arrisquei! Não é que consegui?!? Amei o stand up! Pra quem sempre me pergunta se eu não tenho vontade de surfar, por ser esposa de surfista, agora tenho a resposta: eu curto mesmo é stand-up! Quero um pranchão e um remo pra mim!!!! Remamos bastante! Várias vezes saímos da água, tomamos ducha (tem duchas deliciosas para tirar o sal do corpo), secamos ao sol e depois fomos pro stand-up de novo! É bom porque são várias pranchas e equipamentos então não rola de ter que ficar esperando para usar essa estrutura, aproveitamos, remei até fazer bolha na minha mão!

Mar perfeito para o stand-up
Sol, mergulho, stand-up e vários drinks depois, bateu aquela fominha! Fomos para o Restaurante Tróia, que fica de frente para a praia e onde ainda é permitido ir com trajes de banho. Esse restaurante fica também de frente para o jardim do DPNY que, como tudo lá, é lindo e bem cuidado. O almoço que é incluso no "day card" pode ser escolhido entre uma variedade de pratos individuais. Escolhemos um camarão salteado com abacaxi e arroz com nozes. Salivei de lembrar, divino!

Essa foto tirei do Instagram, por isso está assim! Almoço delícia!

Jardim em frente ao Restaurante Tróia
Deck também em frente ao restaurante e à praia
Falando em comida, o cardápio do DPNY é super variado, tem de tudo, até comida japonesa... mas o que nos fez pirar mesmo foi o cardápio de bebidas! Um drink mais sensacional que o outro, fora os espumantes...! Depois do almoço pedimos um drink do barman na área da piscina: vodka Grey Goose, suco de pêssego, sour e creme de amora. Foi só um dos muitos drinks que tomamos ao longo do dia!

Os drinks são preparados no quiosque da área da piscina
Além do quiosque de bebidas, a área da piscina tem tudo o que se encontra na praia: sofás com almofadões, serviço de garçom, duchas... e, claro, água doce! Passamos a tarde na piscina, a vida que pedi a Deus! Gosto de praia, mas água salgada por muuuito tempo cansa. Então foi perfeito ir pra piscina quando enjoamos da areia!

Área da piscina, ao fundo algumas das suítes do hotel
Outro ângulo da piscina, com SPA de fundo
Estrutura da área da piscina
Área da piscina vista de cima, com o mar ao fundo
Bom, as fotos mostram tudo, não preciso ficar falando... passar o dia no DPNY foi tudo de bom! Também fomos nas águas quentes do SPA, passeamos no bosque que tem acima da área da piscina e no fim da tarde voltamos para a praia para ver o dia terminar ao som do DJ que ainda estava lá! Dia perfeito, valeu cada centavo que gastamos lá como "presente" de aniversário de casamento!

SPA
Vista do bosque
Jardim do bosque
Lugar ruim rsrsrs
No sábado as nuvens tomaram conta do céu ao cair da noite, não teve aquele pôr-do-sol maravilhoso do dia anterior... então aproveitamos para ir para o lado mais badaladinho da ilha, na Praia do Perequê. Lá tem um shopping chamado Ardenthia, que tem uma programação muito bacana de música ao vivo na praça de eventos, onde há vários restaurantes ao redor. Foi ali que passamos a noite, recomendo! Comemos num restaurante árabe chamado Emirades, que além das comidas típicas tem uma carta de cervejas importadas incrível!

Domingo, último dia na ilha... :( Bem cedinho, seguimos de carro atéééé Ponta das Canas, norte de Ilha Bela. Voltamos parando nas praias, ficando um pouquinho em uma... mais um pouquinho em outra... descendo nos mirantes para fotos! Recomendo um passeio assim para quem tem pouco tempo, como era nosso caso, mas quer curtir um tiquinho de cada praia! Ficamos mais na Praia do Pinto e da Siriúba. A primeira estava bem tranquila, ficamos praticamente sozinhos por lá, a água é cristalina e a areia fofa! A segunda praia era mais movimentada, muitas embarcações, água mais escura, mas areia perfeita para frescobol. Aproveitamos muito o domingo, até o meio da tarde, quando chegou a hora de ir embora.

Vista do mirante da Praia do Barreiros
Praia do Pinto
Área verde de um hotel na Praia do Pinto


Praia da Siriúba
Praia da Vila
Antes de seguir para a balsa, uma passadinha no burburinho da Vila dos Pescadores encerrou nosso fim de semana delicinha em Ilha Bela. Lembrando que optamos por dias relax, sem correria, sem aventuras radicais, sem passeios programados... porque lá tudo isso é possível e muito mais! Quem ainda não conhece Ilha Bela, vale a pena a visita! Quem já esteve lá, sem dúvidas vale voltar!!!

Ah, por falar em voltar, nossa volta pra casa foi pela estrada Rio-Santos, que como se sabe é lindíssima por margear todo o litoral...! Para terminar bem o passeio!

Beijinhos e até a próxima folga!